3 Comentários

  1. Pedro Henrique Wailant disse:

    Excelentes propostas Paulo, mas tenho algumas dúvidas sobre algumas. Por exemplo: Você acha possível uma revisão no pacto federativo sem convocar uma nova constituinte? Os incentivos temporários para aquisição de veículos elétricos seria em forma de subsídio ou isenção fiscal? Quando você se refere á descentralização da polícia você pretende propor que ela integre a administração indireta?
    Sou servidor na UERJ, como ex aluno você pretende fazer campanha lá? Gostaria que fosse, apesar de não saber como reagiriam à sua presença lá. Registro meu apoio e meu voto nessa eleição.

  2. Mario disse:

    Só acho que na questão da segurança também deveria constar o ordenamento urbano ao invés de armar a GM. A questão dos camelôs que servem canal de escoamento de mercadorias roubadas é crítico, e tambbém a questão do aumento das favelas tanto na horizontal quanto na vertical. O que estamos vendo ao longo da Linha Vermelha e Amarela nos ultimos meses é um absurdo, e isso fortalece o poder do tráfico e das milícias. O governo federal tem de alguma forma apoiar a prefeitura nesse sentido ou cobrar para que isso seja feito.

  3. Eu gostaria que fosse discutido na Reforma da Previdência uma matéria que o Supremo Tribunal Federal já votou contra mas me parece que merece uma outra visão. É a questão da desaposentadoria. Uma pessoa que se aposenta com um fator redutor baixo por algum motivo, continua trabalhando e contribuindo para o INSS, deve ter direito de depois rever o seu fator corrigido em função dos anos adicionais de contribuição. No meu caso, especificamente, continuei trabalhando por mais 10 anos, contribuindo pelo teto e, não tenho direito a corrigir o meu fator de aposentadoria. Houve no mínimo uma apropriação indébita do meu dinheiro.

    Acho que essa matéria deve fazer parte da reforma da previdência que está transitando no Congresso. O desemprego está altíssimo, a taxa de remuneração do FGTS é um absurdo, e as pessoas se aposentam e continuam trabalhando para terem uma renda adicional. Logo, deve-se rever esse fator previdenciário quando ele se aposentar definitivamente.

    Cordialmente

    Marcus Land

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *